quarta-feira, março 25, 2009

Menção Honrosa

O atelier Kaputt! recebeu uma menção honrosa pela sua proposta no Concurso Internacional de Arquitectura House of Arts and Culture, em Beirute no Líbano.

Muitos parabéns!

segunda-feira, março 23, 2009

Morreu o Sr da loja

Há 5 anos atrás, a loja, o 1º, o 2º, o 3º e o 4º andar estavam ocupados.

Em Setembro de 2004 houve um incêndio, cortaram a luz e desapareceram os inquilinos do 4º e do 1º andar (paquistaneses e ucranianos, respectivamente). O sr do 3º já lá não vivia há muito, usava a casa quase como armazém, a srª do 2º e o da loja mantiveram-se.

Em Janeiro de 2005, um grupo de arquitectos ligou a luz e ocupou o 1º e o 4º andar. Até sairem, em Março de 2006 trataram de tudo e não houve stresses.

Algures em 2007 o srº do 3º andar entregou a chave (que já devia ter entregue há q tempos). Algures em 2008 a srª do 2º foi internada no hospício (também já não era sem tempo), agora em 2009 o sr da loja morreu....

O prédio está livre.

terça-feira, março 17, 2009

Pritzker insultada por Daniel Carrapa

In abarrigadeumarquitecto

"Curiosamente, hoje mesmo o Guardian publicou uma entrevista com Zaha Hadid. Focando num dos seus mais recentes projectos, o centro aquático para os Jogos Olímpicos de Londres de 2012, Hannah Pool questiona Hadid se ela não desejaria ter desenhado um edifício mais modesto, devido ao actual estado da economia. “Não” - responde a arquitecta – “Nestes momentos de recessão, elevar o espírito é ainda mais importante e deviamos aprender pelas coisas que fizemos no passado e que foram feitas à pressa”.
É um pouco lamentável ver alguém que iniciou a sua carreira com uma das abordagens mais desafiadoras à convenção e à norma, agora abraçar esta arquitectura de despudorada representação de poder. E praticá-la sem uma réstia de reflexão sobre a sua legitimidade económica, para não falar em moralidade.
A sofisticação do design arquitectónico de Hadid parece agora tornar-se no epítome do pós-modernismo-tardio e do kitsch, uma arquitectura despojada de um sentido de pertença ou função social para lá dessa motivação inicial: elevar o espírito, reverenciar através da monumentalidade e do maravilhamento. Nestes tempos difíceis, talvez nos sintamos mais elevados por uma aplicação racional e equilibrada do dinheiro público. O exibicionismo leviano de Zaha para com a seriedade da questão dificilmente poderá ser lido como um sinal de irreverência, mas de pura negligência social."


Mesmo que tenha razão.... assim não!

terça-feira, março 03, 2009

Nem quero escrever sobre o assunto....

grande vídeo!