segunda-feira, novembro 27, 2006

decisões, decisões...

não sei o que quero! e se por um lado isso me preocupa imenso, porque não estou a fazer nada, não torno o meu tempo útil nem para mim, nem para ninguém e é esquisito não saber o que fazer, até aqui essa questão nunca me surgiu (tinha sempre o ano escolar seguinte). Por outro lado não me preocupa minimamente, porque me estou a cagar, porque tenho 23 anos, porque não tenho contas para pagar, nem tenho de tomar uma decisão com urgência.

Sei que logicamente, o passo seguinte a acabar o curso seria, fazer o estágio.... mas porque é que eu tenho de seguir a lógica? E ao contrário de muita gente eu não estou completamente certa e convencida que quero fazer arquitectura para o resto da vida e é esta a actividade que me realiza, aliás eu nem sequer sei se existe alguma que me realize completamente, acho que n pode ser só uma, têm de ser várias, mas quais?

Outra coisa que me "faz comichão" é a minha situação profissional, se por um lado eu sou uma privilegiada que já tem atelier e podia começar já a trabalhar em arquitectura, como patroa... Por outro sinto-me tenrinha, inexperiente com vontade de sair do país para ver outros mundos, ganir e penar por mim, desenmerdar-me basicamente... Mas em que circunstâncias?

Posso sair do país à procura de estágio fora, na europa e fazê-lo sozinha, sem pedir ajuda financeira... mas para isso preciso de trabalhar antes (em quê?, em arquitectura, só para juntar um pé de meia, faz-me pouco sentido, ainda por cima porque teria de trabalhar num atelier fora do meu, que ainda n dá dinheiro suficiente, mas assim iria com o estaturo de estagiária, iria ser chulada... mas então em quê? secretária, distribuidora, caixa? faz-me pouco sentido) e mesmo assim n garantia que conseguisse juntar dinheiro, nem arranjar trabalho lá. E se saísse como voluntária para um país de 3º mundo? estaria a dar o meu tempo aos outros, ganhava experiência de vida e podia pensar nesse tempo, soa-me muito melhor...

A verdade é que não sei, mas agrada-me a ideia de trabalhar para os outros numa área que nada tenha a ver com arquitectura, mas e o atelier, estou a negligenciá-lo, não estou a contribuir para o seu funcionamento... dúvidas, decisões, como as tomar, quais e até quando? não sei....

quinta-feira, novembro 23, 2006

vendo

- o meu estirador e a minha cadeira (que me acompanharam, no curso, durante 6 anos);
- o carro da minha irmã (peugoet 205 xad, de 93, com 190 mil km);
- a loja do meu pai (no jardim do tabaco com 30m2);
- a minha cabeça (de 1982);
- a minha vontade;
- a minha felicidade;
- a minha dor;
- a minha dependência;
- a minha infantilidade;
- a minha autonomia;
- a minha solidão;
- a minha incoerência;
-me.

quinta-feira, novembro 09, 2006

tejobar + 1 desenho a 2

segunda-feira, novembro 06, 2006

Tem de fazer click

Não basta ser inteligente, interessante, atraente, gostar de mim, tratar-me bem, fazer-me rir, dar-me espaço, planear coisas comigo, satisfazer-me... sim, acho que estas são as principais coisas que eu gosto num homem... mas não são suficientes, nada disto vale, se não fizer click.

e se fizer click, ao fim de uns tempos, se n tiver estas qualidades, ou se a relação não for equilibrada ou se os nossos planos não forem compatíveis, então também não é suficiente e acaba-se.

é duro, eu sei que sou exigente, mas é assim. a vida é fodida, por isso é que eu não me importo em estar sozinha, por menos do que isto não vale a pena!