terça-feira, fevereiro 15, 2005

sou ridícula! tenho de mudar!

8 a projecto! No fundo não estou surpreendida, eu sei que sou uma merda. Mas porque quero, não me esforço, não arrisco, não me empenho, não trabalho. Tenho um discurso correcto, lógico, por vezes inteligente, mas que é o oposto do que faço. É só garganta!
Por comodismo tenho um conceito de merda, fraquíssimo, porque não quis pensar, por preguiça, por medo de arriscar e tentar algo mais arrojado. Queria partir desse conceito de merda para poder dedicar-me ao projecto e arrumá-lo, trabalhá-lo decentemente. Mas como é um conceito de merda, não me motivou minimamente, então não trabalhei, não fiz um cu, não me mexi, não projectei, espalhei-me ao comprido e tive uma nota de merda.
Eu até sei porque tive a merda de nota, eu já sabia à partida, estava consciente do que estava a fazer, no entanto nada fiz para alterar essa nota. Não trabalhei nada, não alterei o conceito nem trabalhei nele, para me motivar e trabalhar mais.
Mas mantive sempre o meu discurso arrogante, altivo, seguro de si, como quem sabe muito e pode mandar bitates a tudo e todos, sou mesmo triste, ridícula!
E mesmo agora, que sei a minha nota, reflecti sobre os meus actos e me apercebi do meu comportamento, continuo sem saber o que fazer.
Óbvio que sei que devia alterar o conceito, fazer algo mais arrojado, diferente, que me motivasse, sobre o qual pudesse trabalhar a sério. Mas sei que não há muito tempo e tenho consciência do trabalho e dedicação que isso exigiria de mim e penso se não seria melhor e mais prudente/realista, trabalhar sobre o conceito que tenho, desenvolvê-lo consolidá-lo. Isso iria dar o mesm trabalho, devido ao esforço extra que teria de fazer pela falta de motivação!
Então vou deixar-me ir e ir trabalhando para ver no que dá e provavelmente mantenho ou pioro a nota, vou a setembro, estrago as férias e ainda me arrisco a chumbar?......NÃO!!!! Não posso nem quero fazer isso.
Tenho então de me questionar o que faço neste curso, porque entrei para os kaputt!, se não intenciono dedicar-me, empenhar-me, cuspir sangue a 100%! Para poder fazer parte dos kaputt! tenho de acabar o curso, logo tenho de fazer o 4º ano, trabalhando muito e de preferência tentando tirar algum gozo dele. Tenho de redefinir prioridades, a escola tem de vir sempre em primeiro lugar, kaputt! em segundo e tudo o resto "que se lixe"!
O meu discurso só é ridículo porque é exactamente o contrário do que faço. Tenhos de manter o discurso e aplicá-lo a tudo o que faço, alterar a minha maneira de ser. Tenho de passar a fazer o que digo. Não faz sentido esta descrepância, esta constante contradição, e o contrário seria estúpido e desmotivante, seria o meu fim!
Tenho de me mancar, não me posso convencer que sou feliz assim, se não trabalho para a minha felicidade. Tenho de me esforçar para o sentir, para ser visível, para o saber. A minha felicidade só depende de mim!
Se o futuro é kaputt!, e eu quero que seja, tenho de trabalhar para a faculdade para o tornar possível para mim. Senão não faz sentido, nada faz sentido, senão só resta desistir e isso não está nos meus planos.
Tenho de mudar, tenho de tornar-me mais humilde e muito melhor, tenho de me empenhar mais, de me dedicar mais, de trabalhar mais, tenho de cuspir sangue!

sábado, fevereiro 05, 2005

tão perto e tão longe

Há muito tempo que não recebia uma mensagem assim, daquelas que não queremos perder e que gostávamos de guardar para o resto da vida. Há mesmo muito tempo, provavelmente há cerca de um ano.

Hoje recebi uma mensagem de uma pessoa especial, foi totalmente inesperada, tínhamos acabado de falar no messenger e ele mandou-me uma mensagem, que surpresa! Não o vejo há mais de um ano, mas tenho conversado imenso com ele no messenger e as nossas conversas vão cada vez mais, enchendo-se de interesse e conteúdo, não sei se é pela distância ou pelo meio de comunicação, mas sinto-me mais perto dele, mais próxima. Hoje recebi uma mensagem que me tocou, hoje recebi uma mensagem de longe, de bergamo, hoje recebi uma mensagem profunda, que mexeu comigo, hoje recebi uma mensagem escrita para mim, a pensar em mim, dedicada a mim,

hoje...recebi um poema.

quarta-feira, fevereiro 02, 2005

Reencaminhar

Decidir o que quero para o resto da vida, seguir um caminho, ser coerente com as minhas convicções, não me perder, definir um percurso de vida. Porque será que tenho esta necessidade de controlar tanto a minha vida? Porque será que não me deixo ir, ao sabor da corrente, até onde esta me levar? Porque será que não adio esta responsabilidade e curto ao máximo o que nunca disfrutei mas ainda vou a tempo? Porque será que assisto às fases debochadas e destrutivas das outras pessoas todas, como algo normal, que há-de passar, mas nunca me permiti entrar numa? Que consciência e sentido de obrigação são estes, que carrego comigo?
Porque não sinto falta, porque não pratico excessos, porque me permito uma escapadelazita saudável de vez em quando, porque encontrei um equilíbrio, porque apesar de não querer crescer quero ter o meu espaço, porque sou exigente comigo.
Eu consigo ser uma pessoa melhor, eu quero ser uma pessoa melhor, mas já gosto de mim...